212 | agora é daqui para a frente

aérea
2 min readApr 5, 2023

Essa é a minha primeira noite sozinha na agora só minha casa. Tem tantos jeitos mais bonitos, sutis, elaborados e poéticos que eu poderia estar falando sobre isso, mas a verdade é que não me sinto bonita, sutil, elaborada e muito menos poética, só estou sozinha na minha casa sentindo muitas coisas e sem saber o que eu sinto.

É tão certo quanto respirar e consigo finalmente inalar esse fluxo de ar fresco, ainda assim a oxigenação em dívida com meu cérebro acende lâmpadas que antes não tinham ninguém para ligar. Parece errado invadir o silêncio com música então ouço os sons da rua, nem os gatos se atrevem a acordar. Agora, depois de tanto tempo, somos só nós quatro. Eu cuido de vocês e vocês cuidam de mim, feito?

Engraçada essa vida, estranha também, bizarra, assustadora e todos os outros adjetivos que quisermos jogar aqui, todos eles servem perfeitamente. Como pode tanta felicidade existir ao lado de tamanho buraco? O vazio me cerca sem me engolir, mas isso não o impede de me sufocar de tempos em tempos. Não andei tomando meus comprimidos direito nas últimas semanas e talvez isso esteja me tornando um pouco bagunçada de novo, mas também não sei como eu poderia estar vivendo tudo isso sem estar bagunçada. De qualquer forma, hoje os tomei certinho.

Já chorei, fiz pipoca, abri uma cerveja, brindei comigo mesma, tomei banho, fiquei pelada, sentei no chão da sala e chorei mais um tanto daquele choro feio e alto que só choro quando estou sozinha em casa. Nos faremos companhia, eu e ele.

Não que eu precise de companhia, afinal como ouvi ontem de quem me conhece muito bem, se alguém sabe lidar com estar sozinha esse alguém sou eu, não só sei lidar como preciso e mais do que precisar ainda gosto muito. Talvez seja agora que eu desapareça de vez do mundo e talvez seja pra isso que comecei a escrever aqui tantos meses atrás, como um sinal de fumaça de que estou viva quando não consigo interagir e, já deixo avisado, se eu sumir desavisadamente alguém por favor venha checar se está tudo certo, apesar de que o mais provável seja eu ter perdido completamente a noção dos dias já que de dentro da minha bolha o tempo fica mais confuso do que ele já é.

Queria preencher o vazio com uma mensagem ou ligação, mas uma hora ou outra vou precisar encarar essa solidão e por que não a receber de braços abertos logo de cara? Essa me parece uma boa forma de estabelecer a dinâmica que teremos eu e ela e é por isso que não falo nada.

Me sinto pronta para essa nova etapa que eu sei que vai ser importantíssima e maravilhosa, ainda assim vão ter dias muito estranhos e hoje é um deles. A vida é muito louca mesmo. Espero que eu consiga dormir na cama nova que não está encostada na parede porque nesse quarto não tem parede que eu consiga a encostar. Eu, os gatos, meus medos e minhas lombras… É, o bagulho vai ser doido.

4 de abril de 2023

--

--