216 | faz, ué, não era isso que tu queria?

aérea
2 min readApr 9, 2023

E quando passei na frente do espelho lá estava ela me esperando. Talvez tenha ficado a manhã inteira pois me ouviu falar na noite anterior que pretendia acordar cedo, ou talvez tinha acabado de chegar pois me conhece melhor do que eu mesma e sabe que de nada adianta meu despertador de passarinhos. O fato é: lá estava ela me esperando no espelho.

Tenho tanto medo de autoridades e talvez por isso mesmo que ela assume a minha própria forma. Tenho medo de muitas coisas, mas não tenho medo de mim, então sorrio e ela sorri e juntas sorrimos. Igual a mim em tudo menos nos olhos, os dela tem mais idade, já viram mais coisas, já sabem de muito, os meus não vejo mais, só os dela que veem os meus.

Ela se move diferente também e de dentro do corpo a sinto mover as cordas que nos movem. Apenas assisto, estou aqui para isso. Minha hora de ouvir atentamente e absorver cada segundo, não tenho nada a dizer e quem fala sem parar é ela palavras doces de encorajamento e firmes pela certeza que vem do tempo.

Tu sabe o que tu quer, não sabe? Sempre soube que eu sei, ainda sabe. Que que tá acontecendo, criança? Foi difícil, eu sei, mas já deu, já. Tá na hora, criança, tá na hora. Vamo lá que cê consegue. Vamo lá.

As palavras são só uma das várias camadas, ela se comunica de tantos jeitos. Tem dias que é só com os olhos mesmo que surgem e desaparecem num lampejo. Quase que perco, mas eu vi e ela sabia que eu iria ver, senão não os colocaria ali. Olhos com um quê de animal selvagem que enxergam até o fundo da alma. Tem dias que ela não aparece de propósito, mas eu sei que ainda está ali. Hoje, quando acordei, a encontrei me esperando no espelho.

8 de abril de 2023

--

--