238 | dor de cabeça

mari
1 min readMay 2, 2023

Tem um peso que cresce em meu peito e sobe à minha cabeça. A tão familiar pressão atrás dos olhos insiste em verter e mais uma vez me despedaço quando mais quero me sentir inteira. Quanto tempo faz que não me sinto inteira? Pensando bem, quanto tempo faz que não me sinto? A vida é assim, mari, ou você corre com ela ou ela te atropela. Não acho que seja a vida que seja assim, acho que somos nós que a reduzimos a isso e agora corremos sem saber para onde vamos e nem por que corremos. Quando alguém cai mal conseguimos nós também ajudar sem nos derrubarmos e quando vemos somos mais um corpo esparramado no chão.

Calcanhar na costela. Calcanhar na cabeça. Calcanhar na nuca. Um impacto atrás do outro sem tempo para respirar. Sem tempo nem para entender o que é que está acontecendo antes de levar outra pisada em um órgão vital.

Eu sei que é assim, eu sei que é, mas não consigo aceitar que deva ser. Sei também que se eu só me entregasse ao fluxo as coisas seriam diferentes, mas também me lembro de quem fui nessas condições e a isso não quero retornar. Eu não era quem eu sou hoje porque não conseguiria ser, e agora que sou não sei se consigo mais voltar atrás.

Tem que ter um jeito de não me perder, tem que ter… Vou dar meu jeito, preciso dar meu jeito, vai dar certo, precisa dar.

30 de abril de 2023

--

--