287 | rodapé pela metade

aérea
1 min readJun 20, 2023

Um pouco melhor, um pouco pior, meio que ainda na mesma. O rosto já desinchou um tanto e agora os hematomas chamam mais atenção. Pinga colírio, passa pomada, toma remédio, torce para dessa vez parar pelo menos um pouco de arder.

Mais calma agora, apesar de cansada de recontar a mesma história, afinal, ela ainda acontece dentro de mim. Ainda não acabou e vai levar ainda mais um tempo para acabar, levando em conta o estado do meu rosto e a forma como o sinto por dentro.

Eu realmente não gosto de falar sobre meus processos enquanto eles acontecem, pelo menos não fora daqui, como se eu precisasse saber como a história termina para saber como a começar a contar. Tô bem, mas tá ruim de estar dentro de mim nesse momento e para além dos olhos ardendo me sinto cansada, exausta de existir fora da cama.

Uma passada na minha casa para cuidar dos três felinos. A louça na pia foi deixada na quinta feira só porque eu definitivamente iria voltar na sexta-feira de manhã. Mas eu definitivamente não voltei nem de manhã, nem de tarde, nem de noite, nem no sábado. Voltei domingo à noite e fui lavar, a louça, a roupa, a cara. A vida ali largada, abandonada, pausada até depois, até a hora que for possível retomar.

Não quero repetir a mesma história, quero deitar na cama e chorar.

18 de junho de 2023

--

--