365 | parabéns pra mim

aérea
2 min readSep 7, 2023

Um dia normal como todos os outros com um ar de algo mais, de quero mais, de um dia pelo menos um pouquinho diferente. Um dia com cara de fim e também de recomeço, mas acho que mais com cara de fim nesse momento, mas também com cara de começo. Um dia que é meu, só que em segredo, um segredo gostoso de guardar só pra quem sabe. Um dia que marca muito mais do que um aniversário porque eu escolhi assim, porque eu quis, porque um dia eu acordei e falei que sim.

O ar parece diferente e o tempo passa como se nunca tivesse parado, como se nunca tivesse passado, como se nem precisasse passar. O tempo passa fora de mim dessa vez e não sei como me sinto depois de tanto tempo engolindo dias de grão em grão que dentro de mim viraram broto que viraram tronco que floresceram e cresceram até que agora me escapam galhos pela boca. E pelos olhos. Meus dedos já deixaram de ser dedos. Retorcida no cerrado, ressecada, quase morta, em combustão.

A vida já parece diferente do diferente que já foi, eu me sinto diferente do diferente que já fui. Tudo permanece igual. Não sei o que vem assim como não sei o que foi, só foi e indo fui junto, me sendo e me fazendo enquanto sentada de pernas cruzadas no muro de casa me assisto lá embaixo vivendo sem saber da vida, sem saber do tempo, sem saber de mim e sem saber de nada.

Um dia normal como todos os outros com um ar de algo mais. Acabou, repito tentando me convencer, passaram-se vidas inteiras, mas não parece que se passou um ano. Ainda assim, cá estou e acho que talvez de tudo isso o que mais me surpreenda é que no final de tudo a contagem deu certo, não me perdi nos números. Eu ainda não acredito, mas sou obrigada a aceitar que é verdade quando vejo diante de mim pilhas e mais pilhas de dias escritos com a minha letra.

O que passou, passou e o que vem daqui pra frente já não cabe mais aqui. Me fiz de história e me contei, e toda história um dia chega ao fim.

5 de setembro de 2023

--

--