dia 1

Sentada entre as amigas que não via há tanto tempo me pego em silêncio. “Você não fica com vontade de sair pegando as pessoas pelas mãos e desatar a falar sobre elas?” Me pergunta Antônia enquanto conta para as pessoas novas na mesa que sou astróloga. “Sabe que não? O que aconteceu e eu não esperava é que me tornei viciada em ouvir”. Ela concorda com o rosto virado para mim, mas os olhos já atentos à conversa do lado. Sempre me senti mal com as interrupções bruscas de assunto, como se o que eu tivesse a falar não fosse tão interessante quanto qualquer outra coisa que estivesse acontecendo. O que descobri é que a graça desses momentos não está necessariamente na absorção, mas sim em despejar o máximo de informações na roda, vendo todos os caminhos possíveis que a conversa pode seguir como quem anda por uma estrada e lê em voz alta as placas de todas as entradas, mas não vira em nenhuma. Observo em silêncio as frases descartadas pela metade e as quase interrupções interrompidas pelas interrupções mais rápidas que elas. É como um jogo. Um pingue-pongue com vários participantes que podem acrescentar quantas bolas quiserem na mesa enquanto tantas outras se perdem pela falta de mãos para as rebaterem. Me lembrou também um jogo de Dorminhoco, aquele que os jogadores ficam se passando uma carta de cada vez em um círculo até alguém completar a sequência vencedora e abaixar suas cartas em silêncio. O jogo continua, mesmo já tendo acabado e o último a perceber é quem perde - o dorminhoco desatento. Eu sempre fui campeã nesse jogo e agora me percebo jogando sozinha, sempre atenta à atividade por baixo das conversas, de olho nas mãos que se movem em assincronia com o que as bocas falam. Talvez eu realmente tenha desaprendido a socializar ou ficado muito boa em outra forma de comunicação, a questão é que seja em uma conversa entre 2, 3 ou vários, chega um momento que dou passos para trás e deixo de ser uma participante ativa, paro de acrescentar bolas novas e só rebato as que vem na minha direção até que elas também esqueçam da minha presença. Noto todos os começos de assunto perdidos e os conto mentalmente, alguns aparecem de novo mais para a frente, alguns nunca chegam a ver a luz do dia. Noto as expressões nos rostos que ouvem o que querem ouvir. Noto as perguntas não respondidas e as respostas não entendidas. Noto os assuntos que prosperam e os que não vingam. Noto quando duas pessoas acham que falam da mesma coisa, mas cada uma está em um lugar muito diferente da outra. Às vezes elas nunca chegam a perceber que não se encontraram, quando isso acontece sorrio sozinha e ninguém vê. Sempre assisti muitas séries e talvez agora eu esteja vivendo como se a vida que vivo não fosse a minha. Não minto que se tornou mais confortável para mim assumir esse espaço de espectadora ao invés de participante, é assim que consigo respirar. De vez em quando me jogo de volta na brincadeira, mas também não vingo muito e logo desapareço em meu excesso de atenção.

--

--

pelo visto esse é o meu diário

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store