no arco da porta

aérea
Jan 22, 2024

olhos, seus, meus
nossos em nós
mergulho pra dentro
caio em você
dançando, dançando, dançando

na queda a gente se ajeita, assim desde sempre
na queda a gente se encontra
na queda segura
e deixa cair
e deixa voar
e deixa voltar

dançando

narrada em espelhos a história de corpos por corpos, sequência daquilo que escolhe mostrar e do que dá sorte de ver, sequência de braços e bundas e rostos caretas e peitos barrigas e coxas e pés

álbum de fotos nunca tiradas, vividas guardadas
emolduradas

--

--